Deputada Talíria Petrone destina emenda de R$ 800 mil para o Museu de Folclore Edison Carneiro

Editoria Destaques (4 posts pequenos) Home Política

Espaço inaugura mostra com a presença da ministra Margareth Menezes

A deputada federal Talíria Petrone (PSOL/RJ) e a ministra da Cultura, Margareth Menezes, participaram, na última quinta-feira (4), da abertura da exposição “Nóis morre, as coisa fica: artes populares no Brasil”, no Museu de Folclore Edison Carneiro, no Catete, Rio. O mandato da parlamentar destinou R$ 800 mil entre 2023 e 2024.

“Esse momento é a expressão de que o Brasil voltou. Não existe povo sem cultura. E, no momento que tentam tirar a cultura da gente, tentam acabar também com a diversidade. Agora temos o povo de volta. Temos a cultura e a diversidade de volta. Contem sempre com nosso mandato para fortalecerem a nossa cultura. Estamos hoje aqui com uma grande riqueza do nosso patrimônio. Viva a cultura! Viva o Brasil em reconstrução! Viva cada mestre e mestra da cultura!”, disse a deputada Talíria Petrone.

A mostra comemora os 40 anos do Programa Sala do Artista Popular (SAP), criado com o objetivo de documentar, difundir e fomentar as artes populares e o artesanato de cunho tradicional brasileiros.

“É uma responsabilidade muito grande cuidar do patrimônio material e imaterial do nosso país. Estamos em um momento muito especial. É um momento democrático, de reconstrução. Estamos abertos ao diálogo e juntos nessa luta. Também quero agradecer a sensibilidade que Talíria Petrone tem pela cultura. Estou muito feliz de estar aqui no Rio de Janeiro.Tenho muito carinho por essa cidade maravilhosa”, afirmou a ministra Margareth Menezes.

O deputado federal Chico Alencar (PSOL/RJ), o presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Leandro Grass, e a presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Maria Marighella, também compareceram ao evento, que teve apresentação do grupo Moacyr Luz e Samba do Trabalhador.

Exposição

A exposição “Nóis morre, as coisa fica: artes populares no Brasil” — que propõe uma reflexão sobre o impacto e a trajetória do SAP — é realizada pelo Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP), unidade especial do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em parceria com a Associação Cultural de Amigos do Museu de Folclore Edison Carneiro e a Fundação Nacional de Artes (Funarte). A mostra apresenta um vasto acervo que inclui objetos, fotografias, sons e vídeos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *