Firjan cobra medidas contra estagnação do setor

Cidades Editoria Slider (carrossel)

Em novembro de 2023, descontados os efeitos sazonais, a produção industrial mensal (PIM) nacional registrou variação de +0,5% em relação ao mês anterior, reforçando o ritmo de baixo dinamismo observado nos últimos meses. Mesmo com o saldo positivo do mês, a indústria brasileira manteve inalterado o quadro de paralisia.  

Para a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), há desafios a serem superados. A entidade reitera a importância da redução do risco país para a implementação de cortes mais intensos da taxa Selic. É crucial, portanto, o compromisso firme com as metas fiscais estabelecidas sem onerar o setor produtivo.  

“A busca pela execução dessas metas deve manter o foco na redução e na melhoria da eficiência dos gastos públicos. Um caminho contrário a esse reduzirá a competitividade das indústrias e colocará em risco a criação de empregos e o aumento da renda de uma maneira sólida e consistente”, alerta o gerente de Estudos Econômicos da Firjan, Jonathas Goulart. 

De janeiro a novembro de 2023, a variação praticamente nula (+0,1%) realça os efeitos deletérios da alta de juros. Entre os macrossetores industriais mais impactados, destacam-se os bens de capital, que registraram queda de 10,7% no acumulado até novembro de 2023.  

Mas apesar da letargia que marca 2023, observou-se um avanço na confiança dos empresários industriais, principalmente devido a uma avaliação menos negativa das condições atuais. A aprovação da reforma tributária foi de fato um passo positivo na direção de solucionar o complexo sistema em vigor. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *