Niterói terá marcha da maconha em meio a onda de crimes cometidos por usuários de drogas que vivem nas ruas

Cidades Editoria Slider (carrossel)

Em Niterói, vereadores de oposição, que não são muitos, mas fazem bastante barulho, estão se mobilizando para tentar impedir a marcha da maconha, marcada para o próximo dia 25 na cidade. O evento, que tem autorização da prefeitura, partirá do Terminal Rodoviários, às 14h30, em direção à Cantareira. A marcha deste ano é focada não apenas na legalização da maconha, mas de todas as drogas, em resposta à PEC 45/23, que criminaliza a posse de qualquer quantidade de entorpecente.

Para o vereador Douglas Gomes (PL), um dos principais críticos do governo Axel Grael (PDT), o evento é absurdo, ainda mais levando-se em conta os recentes crimes cometidos por usuários de drogas que hoje vivem nas ruas de Niterói: já atearam fogo em carros em Icaraí, arrombaram lojas, estupraram três mulheres e depredaram viaturas na porta de uma delegacia do Centro e ainda assassinaram o porteiro de uma escola em São Francisco.

“Estamos no meio de uma crise nunca antes vivida em Niterói, onde temos centenas de usuários de drogas vivendo nas ruas da cidade. Sou nascido e criado em favela e sei o malefício que a droga faz. Eu tenho ido nas cracolândias para conversar e buscar resgatar estes jovens. E sabe qual é a resposta quando eu pergunto como eles começaram, todos responderam que foi com a maconha”, disse o vereador, acrescentando que seu mandato está empenhado em buscar uma solução na Justiça para impedir a marcha.

“A maioria da população de Niterói, eu tenho certeza, é contra a marcha da maconha esse ato de apologia ás drogas. Pergunte à mãe de um usuário de drogas o que ela acha?”, completou.

* imagem Paulo Pinto/EBC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *